O motor passava dos 2.195 c.c. para os 2.341 c.c. de capacidade, e o aumento das potências específicas de cada versão, especialmente nos modelos exportados para o mercado norte-americano, que passavam a ser equipados com injecção mecânica de combustível, em vez dos tradicionais carburadores Weber.

A alteração à capacidade do motor era feita através do aumento do curso dos cilindros o que, por sua vez, permitia reduzir a taxa de compressão, optimizando o bloco para a queima de combustível normal. Para além destas alterações, o motor era reforçado com uma cambota forjada, incluindo as unidades a equipar o 911 T. Na constante procura de evolução, em 1972, os esforços da Porsche para minorar o nefasto efeito de pêndulo da colocação do motor em posição traseira no 911, levou à realocação do depósito de óleo do motor mais para a frente, com o respectivo bocal de enchimento com acesso do exterior. Esta situação seria novamente invertida nos modelos de 1973, já que, por demasiadas vezes, o bocal do óleo foi confundido pelo da gasolina. Nesse ano, o depósito de óleo passava a ser construído em aço inoxidável.

Outra das novidades mecânicas para 1972 foi a adopção de uma nova caixa de velocidades. Conhecida internamente como Type 915, a nova caixa podia ser especificada com quatro ou cinco relações e derivava do modelo 908 de competição. Ao contrário da anterior Type 901, a nova caixa tinha um sistema de lubrificação mais robusto e era facilmente identificada por utilizar um esquema em “H” com a primeira velocidade incluída, ao contrário do anterior sistema dog-leg. Para os clientes da América do Norte, a Porsche continuava a oferecer, como opção, a transmissão automática Sportomatic.

Em 1973, o 911 sofreu algumas alterações de pormenor, com o modelo E a receber as jantes ATS cookie-cutter, de dimensão 6Jx15, como equipamento de série, substituindo as jantes em ferro propostas um ano antes. No motor Type 911/52, a injecção mecânica de combustível mantinha-se inalterada, assim como a capacidade, com 2341cc, a potência, de 165cv às 6200 rotações por minuto e valor de binário máximo, de 205 Nm às 4000 rotações por minuto. Em termos de transmissão, o 911 E podia ser especificado com caixa manual de quatro ou cinco relações e caixa automática Sportomatic de quatro relações. Em 1973, foram produzidas 1366 unidades da série F do Porsche 911 E 2.4.